Usuários On-line

Temos 1886382 visitantes e Nenhum membro online

Clube do Livro

 
assinar

Eventos

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

No esforço de manter-se ocupado, há algo muito importante:

Não deixe passar um só dia sem o emprenho de aprender.

Nossa mente, se assim posso dizer, tem propriedades elásticas. Quanto mais coisas botamos dentro dela, mas cresce, mais poderosa fica, mais capaz.

E quanto mais aprendemos, melhor compreendemos a vida, mais equilibrados ficamos, mais felizes vivemos.

Sócrates, que foi um grande sábio da Antiguidade dizia:

Só ha um mal - a ignorância.

Só há um bem - o conhecimento.

Ele queria dizer que os males em que nos envolvemos nascem sempre de não sabermos como lidar com a Vida.

Mais exatamente, nascem de nossa ignorância.

Analisando friamente a questão você fatalmente reconhecerá que se conhecesse melhor as coisas, se tivesse uma visão mais clara sobre a Vida, certamente não estaria numa prisão.

Por isso Sócrates afirma que o único bem é o conhecimento.

Quem adquire conhecimento fica sabendo o que é realmente importante em favor de sua felicidade.

Nessa busca de conhecimento há um amigo muito especial, disposto a nos acompanhar onde estivermos, até na prisão.

Está sempre pronto a nos atender e ensinar, a qualquer momento.

Leia mais: O Mundo em Nossas Mãos

1-    Existe o amor à primeira vista?

Salvo em circunstâncias especiais, de almas afins, que se reencontram para gloriosas experiências em comum, o amor não é uma aquisição "à vista". Melhor que seja uma realização "a prazo", desenvolvido e sustentado em longos anos de experiência em comum.

2-    Mas não é frequente as pessoas dizerem que logo no primeiro contato encontraram o homem ou a mulher de suas vidas?

É possível, mas também muitos viram o parceiro de sua vida transformar-se em tormento dela, culminando com a separação.

3-    Estavam equivocados?

Talvez existisse uma ligação efetiva, fruto de experiências em comum no pretérito. Vieram para consolidá-la, mas a relação deteriorou-se com o tempo.

4-    Por isso costuma-se dizer que com o amor passamos o tempo e com o tempo passa o amor?

O que passa é a paixão, o amor-desejo, o amor-deslumbramento. Alguns quilos de sal consumidos em comum e as pessoas começam a sentir que o parceiro não é tão desejável e nada deslumbrante.

5-    O que seria, então, o verdadeiro amor?

Lembro-me da série famosa de publicações ilustradas, sob o título "Amar é...", envolvendo manifestações de afeto recíprocas. Do homem para a mulher: Amar é conversar com ela; amar é entender seus momentos difíceis; amar é lembrar de seu aniversário; amar é acompanhá-la ao médico; amar é dar-lhe um descanso na cozinha... São incontáveis as situações em que se enfatiza algo que o amante faz pela amada ou vice-versa. Amar é isso - querer o bem de alguém.

6-    Mesmo esse amor não se desgasta com o tempo?

Depende das pessoas. O amor é como uma planta que se não for bem cuidada morre. Muitos casais, unidos por legítimos laços de afetividade, acabam vendo o amor fenecer por falta de cuidado e atenção.

7-    Por que isso acontece?

Leia mais: Amor à Primeira Vista

 

Quando a morte ceifa nas vossas famílias, arrebatando, sem restrições, os mais moços antes dos velhos, costumais dizer: Deus não é justo, pois sacrifica um que está forte e tem grande futuro e conserva os que já viveram longos anos cheios de decepções; pois leva os que são úteis e deixa os que para nada mais servem; pois despedaça o coração de uma mãe, privando-a da inocente criatura que era toda a sua alegria.

Humanos, é nesse ponto que precisais elevar-vos acima do terra-a-terra da vida, para compreenderdes que o bem, muitas vezes, está onde julgais ver o mal, a sábia previdência onde pensais divisar a cega fatalidade do destino. Por que haveis de avaliar a justiça divina pela vossa? Podeis supor que o Senhor dos mundos se aplique, por mero capricho, a vos infligir penas cruéis? Nada se faz sem um fim inteligente e, seja o que for que aconteça, tudo tem a sua razão de ser. Se perscrutásseis melhor todas as dores que vos advêm, nelas encontraríeis sempre a razão divina, razão regeneradora, e os vossos miseráveis interesses se tornariam de tão secundária consideração, que os atiraríeis para o último plano.

Leia mais: Mortes prematuras

Dois pacientes conversam no manicômio:

– Sou Francisco de Assis!

– Como soube?

– Uma revelação!

– De quem?

– De Deus.

– Mentira! Nunca lhe falei nada disso!

Este é o clássico exemplo de doentes mentais afastados da realidade, em estágio num mundo de fantasia.

Distúrbios graves dessa natureza, originários de acidente circulatório, senilidade,Mal de Alzheimer e outros, situam-se por cobranças cármicas que o destino faz ao paciente e à família. É o decantado resgate de débitos pretéritos, conforme ensina a Doutrina Espírita.

Em O Evangelho segundo o Espiritismo, capítulo V, item 14, Kardec faz oportuna observação, que merece nossa reflexão:

[…] é certo que a maioria dos casos de loucura se deve à comoção produzida pelas vicissitudes que o homem não tem a coragem de suportar. [...]

Interessante, leitor amigo. O Codificador considera que a loucura, na maioria dos casos, é produzida pela inconformação diante de situações difíceis, como a morte de um ente querido, o desastre financeiro, a decepção amorosa, a doença grave, a solidão…

Leia mais: Profilaxia da alienação