Usuários On-line

Temos 2175782 visitantes e Nenhum membro online

Clube do Livro

 
assinar

 

Eventos

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

O publicitário paulista Alexandre Barroso já viu a morte de perto diversas vezes.

Receptor de três transplantes, duas vezes de fígado e uma de rim, passou quatro anos internado e entrou em coma vinte vezes.

Bem sucedidos, os transplantes devolveram-lhe a vida. Agora, ele viaja por todo o Brasil, ministrando palestras de incentivo e conscientização a respeito da doação de órgãos.

Em 2018, lançou o livro A última vez que morri – uma história real sobre vida, morte e renascimento, no qual narra sua longa jornada em direção ao restabelecimento da própria saúde.

Quando um familiar retorna às moradas do infinito, cabe à família decidir ou não pela doação dos órgãos do ente querido.

O momento não é o mais adequado às grandes decisões. Porém, optar pela doação é fazer da morte fonte de vida.

Segundo estatísticas, em 2017, o Brasil alcançou a marca de aproximadamente dezessete doadores para cada milhão de habitantes.

Trata-se de um recorde. Porém, levando-se em conta a quantidade de brasileiros necessitados de transplante, o número ainda está abaixo do esperado.

A luta de algumas pessoas pela manutenção da própria vida nos leva a muitas cogitações: o que é a vida? Podemos prolongá-la? Podemos torná-la melhor?

Ao contrário do que muitos imaginamos, a vida e a morte não são simples fatalidades sobre as quais não temos controle.

Mais do que meros fenômenos biológicos, viver e morrer são escolhas que fazemos diariamente.

Prova disso é encontrarmos pessoas que, acometidas das mais severas doenças, por vezes no limite da existência, vivem plena e abundantemente.

Conduzem seus dias com esperança, com alegria, com gratidão, com fé. A todos nos dão a mais profunda lição de vida.

Viver é agradecer pela exata medida do que se tem. É valer-se dos bens materiais dos quais dispomos como ferramentas de progresso.

Morrer é passar a existência escravizado pelo apego à riqueza empobrecedora.

Viver é saber que nossa existência não se resume a momentos felizes. Morrer é desperdiçar as lágrimas, que tanto nos ensinam, com reclamações incontáveis.

Viver é se conscientizar da fragilidade humana e saber que nossa saúde nem sempre se encontrará em perfeito estado.

Morrer é desperdiçá-la com toda sorte de excessos.

Viver é compreender as imperfeições alheias. Morrer é negar perdão e afeto, é não demonstrar o que sentimos, é não se importar com o sofrimento alheio, é não dizer às pessoas que nos são caras o quanto as amamos.

Verdadeiramente vivemos quando corrigimos nossas mazelas morais, quando praticamos o bem, quando nos pautamos pela justiça, quando somos pacientes e tolerantes.

Vivemos quando superamos nossas limitações, quando descobrimos nossos potenciais, quando estendemos a mão àqueles que dela carecem, quando amamos de forma incondicional.

Vivemos quando morremos para o homem velho e construímos o homem novo.

Vivemos quando construímos a felicidade para a qual fomos destinados e da qual somos agentes e protagonistas.

Pensemos nisso! Aprendamos a viver! Escolhamos viver!

Redação do Momento Espírita, com base em dados biográficos de Alexandre Barroso.