Usuários On-line

Temos 2175784 visitantes e Nenhum membro online

Clube do Livro

 
assinar

 

Eventos

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Um dos maiores desafios que Allan Kardec enfrentou na codificação da Doutrina Espírita foi o de separar, no trato com a manifestação dos Espíritos, o que era efetivamente verdadeiro, do que era apenas opinião pessoal dos Espíritos comunicantes.

Estudando o fenômeno mediúnico com acurado afinco, reconheceu que estava diante de um fato. E como todo fato tem suas leis, caberia ao pesquisador sincero aprofundar a sua análise visando o seu correto conhecimento, a fim de utilizá-lo de
forma adequada. Com este pensamento, empenhou o resto da sua existência nesse trabalho, descortinando para os homens o mundo dos Espíritos.

Sabedor de que o mundo espiritual é habitado por Espíritos de diferentes níveis de conhecimento e moralidade, tal como ocorre entre os homens, utilizou o método do controle universal dos ensinos dos Espíritos – descrito na Introdução de O Evangelho segundo o Espiritismo –, para encontrar a verdade revelada pelos Espíritos Superiores.

Esse método consiste em só aceitar como verdade o que é manifestado por diversos Espíritos, através de vários médiuns, em distintos lugares, e submeter, ainda, essa manifestação ao crivo da razão, verificando se o ensino transmitido não conflita com os demais princípios que vão sendo gradativamente consagrados.

Jamais aceitou como verdadeira uma afirmação pelo simples fato de ter sido atribuída a um Espírito de renome, pois compreendeu, desde o início, que qualquer comunicante pode adotar o nome que lhe aprouver, passando por um Espírito elevado, e abusando da boa-fé dos homens.

Com este cuidado, Allan Kardec materializou na Terra o Consolador Prometido por Jesus, que ficará eternamente conosco: “O Espírito de Verdade, que o mundo não pode receber, porque o não vê e absolutamente o não conhece. Mas, quanto a vós, conhecê-lo-eis, porque ficará convosco e estará em vós.” (João, 14:17.)

Fiel à busca da verdade, Allan Kardec deixou, no século XIX, uma Doutrina solidamente construída, que venceu os desafios decorrentes dos avanços da Ciência no século XX, avanços estes que vêm confirmando os ensinos dos Espíritos Superiores, colhidos pelo Codificador no seu nobre e meticuloso trabalho.

Allan Kardec. Editorial da Revista Reformador fevereiro 2006