Usuários On-line

Temos 2175796 visitantes e Nenhum membro online

Clube do Livro

 
assinar

 

Eventos

Seg Ter Qua Qui Sex Sáb Dom
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31


Transitoriedade

“Eles perecerão; tu, porém, permanecerás; todos hão de envelhecer como um vestido “
Hebreus 1:11

Fala-nos o Eclesiastes das vaidades e da aflição dos homens, no torvelinho das ambições desvairadas da Terra.

Desde os primeiros tempos da família humana, existem criaturas confundidas nos falsos valores do mundo. Entretanto, bastaria meditar alguns minutos na transitoriedade de tudo o que palpita no campo das formas para compreender-se a soberania do espírito.

Consultai a pompa dos museus e a ruína das civilizações mortas. Com que fim se levantaram tantos monumentos e arcos de triunfo? Tudo funcionou como roupagem do pensamento. A ideia evoluiu, enriqueceu-se o espírito e os envoltórios antigos permanecem a distância.

As mãos calejadas na edificação das colunas brilhantes aprenderam com o trabalho os luminosos segredos da vida. Todavia, quantas amarguras experimentaram os loucos que disputaram, até a morte, para possuí-las?

Valei-vos de todas as ocasiões de serviço, como sagradas oportunidades na marcha divina para Deus.

Valiosa é a escassez, porque traz a disciplina. Preciosa é a abundância, porque multiplica as formas do bem. Uma e outra, contudo, perecerão algum dia. Na esfera carnal, a glória e a miséria constituem molduras de temporária apresentação. Ambas passam. Somente Jesus e a Lei divina perseveram para nós outros, como portas de vida e redenção.

***

Comentário de Haroldo Dutra Dias sobre o capítulo

Nessa belíssima lição, também extraída do primeiro capítulo da Epístola aos Hebreus, Emmanuel desenvolve o tema central do livro Eclesiastes – a brevidade das formas materiais e o caráter imperecível de tudo o que se relaciona ao espírito imortal.

Falando em oposição, se no episódio 46 a mensagem girava em torno da condição sublime e espiritual do Cristo, neste episódio explora-se a brevidade da condição humana.

A lição já fora abordada pelo benfeitor no capítulo 28 do Livro Roteiro, intitulado Sintonia, em que afirma:

“Precisamos compreender – repetimos – que os nossos pensamentos são forças, imagens, coisas e criações visíveis e tangíveis no campo espiritual. (…) Energia viva, o pensamento desloca, em torno de nós, forças sutis, construindo paisagens ou formas e criando centros magnéticos ou ondas, com os quais emitimos a nossa atuação ou recebemos a atuação dos outros. Nosso êxito ou fracasso dependem da persistência ou da fé com que nos consagramos mentalmente aos objetivos que nos propomos alcançar”

Saibamos enxergar nos recursos colocados pela providência divina em nossas mãos a roupagem perecível destinada a disciplinar, moldar, e acrisolar nosso pensamento.

Nossos ideais, conceitos, ideias, sentimentos, inspirações se enriquecem e se aperfeiçoam no manejo das formas materiais transitórias, já que somente a súmula da experiência persistirá gravada em nós como pérolas do nosso tesouro imortal.

Em nossa marcha divina para Deus tudo que se liga ao mundo das formas funcionará como roupagem do pensamento – tudo há de envelhecer como um vestido.

***

Produção:  SER
Técnico de Gravação:  Júlio Corradi
Voz:  Haroldo Dutra Dias
Finalização:  Júlio Corradi
Livro:  Caminho, Verdade e Vida  – Capítulo 72
Capítulo:  Transitoriedade
Versículo:  Hebreus 1:11

Sete Minutos com Emmanuel – Episódio 47 –  Carta aos Hebreus, capítulo 1, versículo 11, comentário do Livro Caminho, Verdade e Vida, Capítulo 72, intitulado: Transitoriedade – LEITURA DO VERSÍCULO – (…) Eles perecerão; tu, porém, permanecerás; todos hão de envelhecer como um vestido (Hb 1:11)